Merci d'etre parmis nous*Thank you for being among us* Gracias por estar entre nosotros*Obrigado por estar entre nós* Grazie per essere in mezzo a noi* Danke, dass Sie bei uns* Спасибо за то, что среди нас*Terima kasih kerana menjadi antara kita*私たちの間にいてくれてありがとう* شكرا لك لأنك بيننا
Google-Translate-ChineseGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish

domingo, 1 de maio de 2011

Retrato - Cecília Meireles


Eu não tinha este rosto de hoje,
assim calmo, assim triste, assim magro,
nem estes olhos tão vazios,
nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,
tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração
que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança,
tão simples, tão certa, tão fácil:
- Em que espelho ficou perdida
a minha face?


Cecília Benevides de Carvalho Meireles nasceu no Rio de Janeiro em 1901 e morreu na mesma cidade em 1964. Tendo perdido prematuramente os pais ( o pai, três meses antes de ela nascer, e a mãe, quando tinha três anos), foi educada pela avó materna. Em decorrência dede fato, notamos, em suas poesias intimistas, muito presente a relação vida x morte, eterno x passageiro etc., além do aspecto “solidão”, tudo explorado com muito lirismo e leveza.

Segundo a própria escritora, “o meu interesse pelos livros transformou-se em vocação de magistério. Minha mãe tinha sido professora primária, e eu gostava de estudar em seus livros”. Diplomada em professora em 1917, atuou no magistério primário, enquanto estudava música e também escrevia para os principais jornais da imprensa carioca. Em 1919 publicou o seu primeiro livro de poemas, mas a consagração viria em 1938, com Viagem (obra publicada no ano seguinte), que conquistou o prêmio de poesia da Academia Brasileira de Letras. Fez várias viagens pelo mundo, como conferencista de literatura, educação e folclore, outro de seus campos de interesse. Quando morreu, em 1964, preparava um poema épico-lírico em comemoração ao quarto centenário da cidade do Rio de Janeiro.

Cecília Meireles, por ter seguido um caminho muito pessoal, não pode ser enquadrada em um movimento ou em uma estética determinados. Seus versos, geralmente curtos, de conteúdo lírico tradicional e muito pessoais, têm raízes simbolistas e se caracterizam pela musicalidade, descritivismo e imagens sensoriais. Um dos pontos altos de sua obra é o Romanceiro da Inconfidência, que lhe custou pesquisas históricas e no qual, empregando o melhor de sua técnica, revela o seu amor à pátria, à liberdade, e a sua admiração pelos mártires da Inconfidência Mineira.

Sua estréia deu-se em 1919, com a publicação de Espectros, coleção de sonetos ainda filiados ao Parnasianismo e Simbolismo. Nunca mais... e Poemas dos poemas, assim como Baladas para El-rei refletem a ligação da poetisa com o grupo espiritualista da Revista Festa. Esses livros foram excluídos de sua Obra poética pela própria autora, que não os considerava representativos de sua poesia. Cecília preferiu considerar como marco inicial da sua trajetória poética o livro Viagem (1939), no qual demonstrava maturidade poética. Neste livro, mantém-se dentro dos padrões tradicionais e ultrapassa o primeiro momento do Modernismo brasileiro (anedótico e nacionalista). Ao gosto pela tradição, soma-se uma visão filosófica e universalizante. As indagações sobre a brevidade da vida, o sentido da existência, a solidão e a incompreensão humana, presentes em Viagem, estão em quase toda a sua obra, perpassada por um sentimento de pessimismo e desencanto.

A atmosfera de dor existencial que emana dos poemas de Cecília Meireles é centrada na percepção de que tudo passa e de que o fluir do tempo dissolve as ilusões e os amores, o corpo e mesmo a memória. Um exemplo desta visão sofrida está no poema “Retrato”. Quanto à forma poética, o texto, em parte, liga-se ao Modernismo pela ausência de rimas, que confere uma fluidez mais coloquial à linguagem. No entanto, a estrofação regular (quatro versos) e a métrica, também regular ( os versos maiores variam entre 8 e 9 sílabas, e os menores, com exceção do 4.º verso, têm 4 sílabas), indicam uma poesia vinculada ao tradicional ( resquícios da poesia simbolista). O poema explora a musicalidade através da aliteração do som nasal, sugerindo, neste caso, um lamento frente à situação presente.

Na 1.ª estrofe, a efemeridade da vida é constatada quando o eu lírico descreve o seu próprio rosto. Entretanto, ele não mais o reconhece como sendo seu, conforme afirma no verso inicial. A ideia é intensificada pelo advérbio de negação e pelo pronome demonstrativo, que sugere a passagem do tempo, a transitoriedade da vida: “ Eu não tinha este rosto de hoje”. Perceba que os adjetivos ( palavras que modificam o substantivo indicando-lhes uma característica, qualidade, aparência ou modo de ser) "calmo", "triste", "magro" e "amargo" descrevem as características físicas e psicológicas relacionadas ao envelhecimento. As expressões “olhos tão vazios” e “lábio amargo revelam sofrimento e certo desencanto frente a situações que foram vivenciadas.

Na 2.ª estrofe, o eu lírico observa as transformações ocorridas em suas mãos, caracterizadas como sem força, paradas, frias e mortas. São partes significativas e simbólicas do corpo, que outrora traduziam força e luta pela vida. Em seguida, descreve seu coração, metáfora para os seus sentimentos, que, antes, eram expostos e atualmente estão retraídos, escondidos (“eu não tinha este coração/que nem se mostra”). É a composição de um “retrato” interior, de si mesma, mostrando-se fechada e sem energia, sem dinamismo em relação à vida.

Na 3.ª estrofe, logo no primeiro verso, o eu lírico percebe e assume que mudou fisicamente e interiormente. Três adjetivos modificam o substantivo mudança” (simples, certa, fácil), com a finalidade de reforçar o caráter inexorável do passar do tempo. Além dessa percepção, questiona em que momento da vida a sua juventude foi emoldurada pela imobilidade, como acontece nos álbuns de família.

O título “Retrato” se encaixa perfeitamente ao poema. É uma das formas de registro do tempo porque simboliza algo estático, eternizado. O espelho é o instrumento do qual o eu lírico tomou conhecimento das mudanças que lhe ocorreram. Refletidas exprimem sucessões, antecipações, lembranças, instabilidade. Enfim, reflete o próprio tempo que sempre preocupou o homem, pois pensá-lo significa ocupar-se da fugacidade e da efemeridade da vida e da inexorabilidade da morte.


54 comentários:

  1. Cecília Meireles!

    Diva, doce, única.

    ResponderExcluir
  2. Olha confesso que gostava pouco da cecilia, me inspirava mto. no existencialismo de clarice, mas a vida vai passando, a gente vai amadurecendo tanto em escrita, quanto em ideias e coisas que passamos, e são conjuntos que hoje fazem com que eu respeite e goste da Cecilia como a poeta que ela é.

    http://www.pequenosdeleites.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Ciao, Nelson!
    Ti ringrazio per il commento che hai lasciato sul mio blog, mi sento onorata. Per me, la letteratura sud americana e quasi sconosciuta, ma attraverso il tuo blog la posso conoscere. Di sicuro ho qualche difficoltà, visto che non conosco il portoghese, ma riesco a capire anche meglio dell'inglese.
    Mi piace Cecilia Meireles.
    Mi piace seguire le spiegazioni che dai...
    Spero di poter lasciare presto un commento in portoghese!

    ResponderExcluir
  4. hi Nelson Souza. the black and white photos are so beautiful! i like them very much :)

    ResponderExcluir
  5. Muito bacana o post :)

    Congrats!!!

    www.equemnaoamaviajar.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Desconhecia o blog, feliz coincidencia me trazerem aqui.
    Parabéns pelo recanto de literatura..

    ResponderExcluir
  7. Cecília é muito inteligente admiro o trabalho dela, parabéns pelo blog!

    http://andreduarthe.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Beautiful and informative glimpse of history... thanks!

    ~laurie

    ResponderExcluir
  9. Oi Nelson!obrigado pela visita e o carinhoso recadinho!!!fiquei impressionada ao ler seu perfil...acho que vc ia gostar dos ideogramas japones(kanji),qdo posso tento estuda-los...espero podermos trocar mais ideias!!!abracos..Luciana

    ResponderExcluir
  10. O poema é tocante. Tão lindo e ao mesmo tempo, quanto cruel.

    Costumamos retratar grandes personagens femininos em micro-biografias no Mulherices. Cecília talvez seja uma boa pauta no futuro.

    ResponderExcluir
  11. Olá Nelson!!!
    Vim aqui conhecer o seu blog e agradecer a visita e o carinho!!! Muito obrigado pelas palavras!!!
    Adorei o seu blog... cheio de conhecimento e com história de pessoas incríveis e inesqueciveis!!!
    Muito sucesso tambem!!
    Beijos com carinho..

    ResponderExcluir
  12. Eu não conheço nenhum poema dele, mas agora que você tem apresentado a mim, sua voz parecia tão sincera que eu vou buscar mais dele. By the way, a foto das sombras é muito bom "Quem é?
    Desculpe, não posso expressar bem em Português

    ResponderExcluir
  13. The poem expresses what so many of us feel.
    I like the photographs - Cecilia was a striking looking woman. I particularly like the first one - I often wonder about the younger selves of older people.

    ResponderExcluir
  14. Olá! Cá estou... Vou voltar mais vezes! bj

    ResponderExcluir
  15. Parabéns, Nelson! O seu blog está ótimo... Gostei muito de saber mais sobre a Cecília. Estou lhe seguindo, se puder me siga também. Beijos!

    ResponderExcluir
  16. Olá...
    De um valor inestimável o conteúdo desse post.
    Parabéns pelo conteúdo e pela estrutura do blog em geral. Um abraço!

    ResponderExcluir
  17. Seu blog é muito interessante...
    Estou te seguindo.... Tenha um Lindo Dia!
    Siga meus Blogs: http://cartasdeumcoracao.blogspot.com/
    E http://deusemminhaalma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  18. hello, Nelson!

    thanks for posting this info and the great photos!

    ResponderExcluir
  19. Hi Nelson,

    interesting poem :-)

    ResponderExcluir
  20. Professor Nelson,
    sempre encantador o seu blog.

    Cecília Meireles, agora envelhecida, olhando-se através do tempo, procurando o espelho onde se perdeu sua face, tão distante da Cecília do Romanceiro da Inconfidência, "com energia para as pesquisas e a técnica empregada, para o amor à Pátria, à liberdade e admiração pelos mártires da Inconfidência Mineira".
    Solidão, vida e morte, eterno e passageiro, como lembra você, se revelam dor x poesia no instante do poema Retrato. A poeta dá de frente com mudanças no rosto, no lábio amargo, nas mãos sem força, frias, mortas e paradas, num coração que se esconde. De que se esconde, por que não se mostra esse coração?
    Não conseguimos saber... Surpreende-nos o espanto do instante ( O poema nasce do espanto - Ferreira Gullar) realmente espanta a mudança "tão simples, certa, tão fácil". Não, não é fácil deparar-se com o estranhamento. Talvez em seu íntimo e lirismo, até ali, ainda não notara a mudança na face e, mais ainda, no coração, tão "perpassado por um sentimento de pessimismo e desencanto". Momento de grande dor que, com certeza reverberou em seu coração: Em que espelho, em que espelho me perdi?

    Lindo todo o conteúdo da publicação, texto e fotos.
    Abraços, Professor Nelson.
    Regina Gaiotto - Tietê/SP

    ResponderExcluir
  21. Muy interesante! Me encantan las fotografias.

    Doris

    ResponderExcluir
  22. Hi,Nelson! Thank you so much for visiting our blog Mates Pedagógicos!!
    I've been enjoying a bit of poetry in Portuguese.
    Thank you for that too!!
    You are welcome to share any material you consider interesting related to teaching and learning. Right now we are working on class organization and motivation.
    Bye!

    ResponderExcluir
  23. Olá Nelson!
    Muito obrigado. I can read Portuguese, but I can't write it, in fact i write "portunhol"..:) Anyway, I enjoyed reading your blog, it's very interesting and I have added a link. So, I´ll keep waiting your next visit. Até logo!

    http://lavocalabierta.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  24. Hola amigo Nelson paso para hacerte una visita y seguir leyendo tu blog. Te deseo una feliz semana. Saludos

    ResponderExcluir
  25. Querido Nelson, no conocia a esta autora, voy a ver mas de sus obras, maravilloso post en su homenaje.
    hace tiempo que soy tu seguidora, disculpa que entro poco, pero ya casi no tengo tiempo.
    fue un placer inmenso leerte.
    besitos para ti, que Dios te bendiga.

    ResponderExcluir
  26. Nelson:
    Precioso Blogg.
    Distinto e interesante.
    Un abrazo para ti y gracias por compartir.
    mar

    ResponderExcluir
  27. Li tão pouco da Cecília...E teu post me fez saber mais sobre ela, maravilhoso poema e imagem perfeita!

    ResponderExcluir
  28. Great info and photos! Thanks!


    www.rebeccbany.com
    http://www.lulu.com/spotlight/becbany

    ResponderExcluir
  29. Hi Nelson,
    Wonderful post. Enjoyed the poem and appreciate reading the about the poet and the explanation of each stanza! Thank you for sharing!

    ResponderExcluir
  30. Nelson,

    Que bom que me encontrou ...
    :)

    Maravilhoso seu post da Cecília !
    Obrigada por me apresentar tão belo espaço.


    Te Sigo com Alegria !


    Bjo e um Dia de Paz.

    ResponderExcluir
  31. Hola Nelson encantada conocerte ,tenes un blog muy interesante ,gracias por compartirlo ! un abrazo Sandra

    ResponderExcluir
  32. interessantíssimos, Nelson, estes estudos levados tão ao pormenor, dos escritores, sua vida, suas obras e particularmente o declinação do sentir do poema que nos trazes aqui.
    gosto de Cecília, gosto imenso. penso que tenho alguma dificuldade em não gostar de algum poeta.
    gosto particularmente da escrita arrojada, embrulho-me com as letras e num instante "sou a personagem do poema", o que por vezes me trás alguns dissabores :))))
    beijinho.
    tem uma boa noite.

    ResponderExcluir
  33. Nelson, Following your blog now, Soy #777! Los retratos estan muy linda. Yo lo quiero much su blog, y regressare' pronto. Ojala que tenga un buen semana.
    Jennifer Perry
    Gracias a usted por seguir Madame Perry's Salon.

    ResponderExcluir
  34. Olá, muito bom obrigado poemas
    Desejo-lhe dias maravilhosos

    ResponderExcluir
  35. Nelson cá estou em seu blog e admirada pela sua sensibilidade.Voltarei mais vezes com certeza.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  36. Hola Nelson, muchas gracias por tu cariñosa entrada en mi blog y por darme la oportunidad de entrar al tuyo, que seguro no será la última. Un placer descubrir a Cecília Meireles, en versos como:

    "Yo no tenía este rostro de hoy,
    tan calmo, tan triste, tan delgado,
    ni estos ojos tan vacíos,
    ni este labio amargo"

    Me ha encantado de veras...

    Un saludo

    ResponderExcluir
  37. Tu imagen en este poema de Meireles me hizo recordar una historia que escribi la primera vez que la vi...

    Es que me impacto...sentía muy presente lo que trasmitía..Si quieres leerla es en este enlace...

    http://nuevasdivagacionesnocturnas.blogspot.com/2008/11/haban-pasado-dos-vidas-unidas-tan-solo.html

    Muy buen ensayo sobre el poema del Retrato...me gustó saber mas sobre esta escritora..

    Saludos..Mirella

    ResponderExcluir
  38. Nelson, muy bello lo que compartes. Fue un placer leerte. Te dejo un beso, cuidate.

    ResponderExcluir
  39. Hola
    No conocía a Cecilia Moireles.
    Tienes un blog bello e interesante, gracias por tu visita al mío...
    Besitos, Scarlet2807

    ResponderExcluir
  40. Ola, naó conhocia....

    e gustei inmenso desta escritora, das coisinhas que faz..

    adorie.. a sua poesía, sobre os idosos...

    é expectacular.

    Muito agradecida por a tua visita no meu blog

    o meu portugues nao é muito bom

    Um saudo

    ResponderExcluir
  41. HOLA NELSO,
    QUE HERMOSO POEMA, ASÍ COMO MUY INTERESANTE LA BIOGRAFÍA DE LA AUTORA. ME GUSTA LEERTE.
    GRACIAS POR TU VISITA!!!
    UN BESO GRANDE. . .PATRY

    ResponderExcluir
  42. I love your blog man, worth commenting. I am posting it on my facebook wall to see what my friends may do about it. http://www.christian-tips.blogspot.com

    ResponderExcluir
  43. Adorei o post!
    Confesso que não sabia da história dela...

    Bjosss!

    ResponderExcluir
  44. Hola Nelson. Vengo a tu blog y en tu post se explica el mío.
    Las sombras se pierden para ser ellas mismas, sin nosotros, sin nuestro lastre. Así pueden danzar sin tiempo, sin edad.
    Precioso post.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  45. It took me a minute to find the "translate" button, but it was worth the wait. Beautifully done. Thank you for sharing this. The photos, too, are lovely.

    ResponderExcluir
  46. Nelzon, paso a dejar saludos y un beso, cuidate mucho.

    ResponderExcluir
  47. A great poem indeed, makes one think about life and its transience... A very good commentary too. Love it!

    ResponderExcluir
  48. Nelson, siempre es grato leerte. Te dejo un beso, cuidate.

    ResponderExcluir
  49. Siempre es interesante leer acerca de la forma la vida a traves de los ojos de un individuo. Tal vez yo esté equivocado, pero así como una persona puede poner tanta energía y creatividad en expresar pena, no sería tan o mas importante tratar de enfocar toda esa energía y creatividad en expresar las experiencias enriquecedoras?
    Muy probablemente toda persona tiene buenas experiencias a diario.

    http://watertohoku-methods.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  50. Hi Nel, How u doing

    By the way it seems like you are really good at writing poems

    Sid (Global Defence)

    ResponderExcluir
  51. Bonjour Nel,
    Votre blog est toujours aussi intéressant.
    La première photo est fantastique, elle dit tant de choses....
    Beijos from France,
    Nathalie

    ResponderExcluir
  52. Hola Nelson; me ha encantado tu blog... regreso pronto a nutrirme de más palabras... un abrazo

    ResponderExcluir
  53. Adoro Cecília Meireles, e sabia muito pouco sobre ela. Que interpretação maravlhosa!

    ResponderExcluir
  54. hi Nelson,

    I am back again to read a new article of yours every now and then, and now I know why you only write once a month, you surely need a lot of time to write such great articles
    thank you for letting me know about this poet, your article is interesting, rich and just... great

    Egyptian shahrazad
    www.lesstalkingwoman.blogspot.com

    ResponderExcluir